.

Acompanhe nossas aulas em vídeo. Entenda o seu direito na prática. veja todas

Encontro 3 – Dano material e dano moral
Entenda a diferença entre dano material e moral em linguagem simples.
Encontro 4 – Danos em acidente de veículos

Conheça os requisitos para ingressar com uma ação de reparação de danos.
Encontro 5 – União estável

Conheça as características e requisitos da ação que busca reconhecer a união estável.
Encontro 6 – Investigação de paternidade

Conheça os fundamentos e objetivos da investigação. Quem pode propor, prazos etc.

.

Inscreva-se no canal youtube

Liminar e tutela antecipada

Vale novamente reforçar que nossos textos se destinam ao público leigo que não estão acostumados com os termos jurídicos, por isso trabalhamos com palavras simples, descomplicadas com o único objetivo de facilitar o entendimento de quem não vice ou convive nas vias forenses. No final da explicação disponibilizamos um texto cujo destinatário é o advogado ou o estudante do direito. Feita esta considerações passamos agora a desmistificar o que é uma liminar. Muito se ouve e se diz “entra com uma liminar” o “juiz concedeu uma liminar” ou “pede uma liminar”. Então vamos a obra. Uma liminar não é uma ação, mesmo porque pode existir uma ação sem liminar. Liminar não é uma ação é um mero pedido dentro de uma ação. Logo um pedido de liminar pode ocorrer em quase todo tipo de ação. Feita esta primeira observação podemos avançar. Seria simplório demais passar a ideia de que uma liminar é um pedido dentro de uma ação por isso iremos um pouco além, ou seja, no que deve consistir este pedido.

O pedido de liminar nunca será o objetivo da ação, ou seja, aquilo que de deseja obter no final do processo, logo o pedido de liminar é um pedido de meio e não de fim. Para os pedidos de fim existe outro termo jurídico que se denomina de “tutela antecipada” que trataremos mais adiante. Pois bem, por o pedido liminar não ser um fim e sim um meio, outra pergunta se faz necessária, ou seja, no que se consiste este pedido e se existe alguns pressuposto para o seu pedido e a sua concessão.

A resposta é afirmativa em ambas e nada melhor que situações práticas para uma melhor elucidação. Imagine uma ação de revisão de contrato cujo o objetivo e rever cláusulas contratuais que se aparentam abusivas e que após as provas a serem produzidas sejam estripadas do contrato estabelecendo um novo valor final para o contrato, todavia, se pede uma liminar para que as parcelas a se vencerem seja depositadas em juízo. Imagine outra situação. O município pede a demolição de um prédio urbano por este apresentar risco de desabamento após o um determinado incidente, todavia, requer um pedido de liminar para que seja feita uma perícia.

Note que a liminar é um pedido que é feito ao juiz no seguinte sentido: “estou em uma situação de urgência que requer a apreciação AGORA, ou seja, não adianta analisar depois pois o meu direito pode não existir mais ou a prova que se deseja produzir não não mais existirá. São estes mesmo os requisitos para a concessão, quais seja, risco de dano irreparável ou de difícil reparação; Verossimilhança da alegação, ou seja, os argumentos trazidos de pronto conduzem a uma certeza quase que irrefutável. É importante consignar que quando o juiz concede uma liminar, ou seja, um adiantamento de um pedido que não é o principal da ação mas um acessório que se não for concedido imediatamente o pedido principal, no final, não existirá ou corre o risco de ficar prejudicado, ele postegar o direito do contraditório, ou seja, o direito do contraditório fica diferido, colocando em segundo plano. Não há de se negar que se trata de uma exceção em face de uma urgência pois fere o direito do contraditório previsto na constituição, não que este não seja dado, mas ele é apenas concedido após já tomada uma decisão, ou seja, uma decisão é tomada sem que a outra parte possa previamente se manifestar a cerca da situação, daí porque um dos requisitos da liminar é a provisoriedade, logo, a qualquer momento ela pode ser modificada pelo próprio juiz ou modificada (derrubada) pelo tribunal mediante recurso da parte.

É claro que o tema é extenso e tenso e não se tem aqui por objetivo exaurir o seu instituto, tão pouco gerar acalorado debates, mas tão pouco lançar rápidas consideração para uma melhor visualização do tema. Nesta toada esclareço o pedido de tutela antecipada que se difere da liminar por o objeto do pedido se confundir o objeto da ação, neste caso se trata literalmente de um adiantamento daquilo que se quer obter no final do processo, o que requer uma atenção redobrada e um cuidado ainda maior do juiz ao analisar esta modalidade de pedido.

Para concluir o importante é ter em mente que em abas se busca adiantamentos de prestação jurisdicional, diante do risco da demora, do perigo de dano irreparável ou difícil reparação, somados a verossimilhança da alegação e que estes pedidos é possível ser feitos em inúmeros modalidade de ação, mas que ação não é e sim um pedido dentro da ação.


  • Quer ler um texto técnico – Clique aqui
  • Deseja um modelo de ação com pedido de liminar  – clique aqui

Consulta jurídica

.

Consulta jurídica: A orientação jurídica é fundamental para o sucesso da sua empresa ou de suas decisões pessoais. Uma orientação adequada abre horizonte e paradigmas para um caminho seguro. Consulte-nos sobre o seu caso concreto. Nossa equipe de especialistas irá lhe orientar de maneira que você tome a melhor decisão. Não raro realizamos certos atos que nos arrependemos, seja porque não sabíamos seja porque acreditávamos que estava fazendo ou a coisa certa ou ainda pelo simples fato de não ter visualizado outros caminhos.

Consulta jurídica

Formulário de consulta jurídica online


Conheça os seus direitos na prática veja todas

Sociedad de fato
Busca e apreensão..
Ação Civil Pública
execução
Ação reivindicatória..
Ação de alimentos
Ação monitória
Busca e apreensão..
.

Fale bem em público

Conheça o Prof. Rodrigo Garcia

Rodrigo Garcia é advogado há 17 anos, coach, formando em programação neurolinguística, pós graduado em hermenêutica jurídica, proprietário da Central de Cursos – treinamentos executivos, uma inovadora escola de negócios para empreendedores. É sócio proprietário do escritório de advocacia – Garcia Advocacia, atua na realização de sustentações orais em tribunais de justiça e tribunais superiores. Especializou-se na arte de falar bem em público competência que é essencial para o mundo dos negócios, para alavancar a carreira, melhorar relacionamentos, ganhar autoconfiança e atingir objetivos.



.

.

Contate-nos

Garcia Advocacia é um escritório jurídico com atuação no triângulo mineiro. Contamos com uma equipe estudiosa, disciplinada e ética, ancorada, sobretudo, na qualificação profissional.

GARCIA ADVOCACIA – Advogados associados
Av. Floriano Peixoto, 615 – 1º andar – sobreloja
Loja comercial – salas 101 e 102 – Uberlândia/MG
Telefone Fixo: (34) 3255-5060 – (34) 9.9877-7080
E-mail: garcia@garciaadvocacia.com.br

Formulário de contato




Fale no WhatsApp